Sim, é possível diminuir o custo do Plano de Saúde!

Sim, é possível diminuir o custo do Plano de Saúde!

Em 2016, cerca de 1,4 milhão de brasileiros deixaram de ter Planos de Saúde. Uma das principais causas é perda do emprego formal que, muitas vezes, oferecia ao funcionário o benefício do Plano de Saúde Empresarial.

Com o aumento do desemprego e a perda do poder de compra, tem ficado cada vez mais difícil para as famílias manterem a assistência médica privada, que chegou a ter em 2017 um reajuste de 13,55% nos Planos de Saúde individuais/familiares.

Mas, será que existem outras opções, além dos planos individuais, e que caibam no bolso? Continue a leitura e você vai descobrir!

Planos de Saúde Empresarias – PME

As Pequenas e Médias Empresas – PME são aquelas que possuem receita anual bruta igual ou inferior a R$ 360 mil. Empresas deste perfil podem aderir aos Planos de Saúde Empresarias, que chegam a ser 50% mais baratos do que os planos de saúde individuais.

Mas não apenas as PME’s podem contratar Planos Empresariais, os Microempreendedores Individuais – MEI’s, devidamente registrados, também são atendidos por esta modalidade.

Para aderir aos Planos de Saúde Empresarias, o empreendedor – MEI ou PME – precisa ficar atento às exigências das operadoras que, além do CNPJ, também podem pedir um número mínimo de vidas seguradas, que varia entre 2 e 3 vidas e inclui proprietários, empregados e seus dependentes.

Outra vantagem é que, nos planos empresariais com o número mínimo de 30 vidas, os beneficiários não precisarão cumprir carência nem cobertura parcial temporária (CPT), desde que a adesão aconteça em até 30 dias da assinatura do contrato.

Planos de Saúde com Coparticipação

A coparticipação é uma modalidade de Plano de Saúde em que o usuário paga um valor à parte em cada utilização, seja uma consulta, exame, internação ou outros procedimentos. Por isto, o valor da mensalidade é menor do que o de um plano sem coparticipação.

Neste tipo de contratação, as coberturas assistenciais são as mesmas dos Planos de Saúde tradicionais, e as taxas extras para utilização do plano podem ser definidas da seguinte forma:

  • Sobre uma tabela de valores médios praticados no mercado;
  • Valores em Real predefinidos para os procedimentos;
  • Percentual que incide na mensalidade.

Fique atento! Qualquer que seja a regra de coparticipação escolhida, ela deve ser cuidadosamente descrita em contrato.

Plano de Saúde com Franquia

Esta modalidade de contratação é muito similar aos seguros de automóveis, por exemplo. Nela é estabelecido, no contrato de plano de saúde, um valor até o qual o beneficiário deve arcar para ter acesso ao serviço de saúde. Ultrapassando o valor total da franquia contratada, a operadora de saúde assume os custos desses serviços, sendo a franquia atualizada a cada renovação anual do contrato.

Há três formatos de franquia previstas:

  • Franquia acumulada: o beneficiário custeia as despesas acumuladas no período de até um ano, até atingirem um determinado valor;
  • Franquia por evento/grupo de eventos: beneficiário custeia os procedimentos até determinado valor;
  • Franquia limitada: beneficiário custeia os procedimentos quando estes ultrapassem o valor determinado.

Assim como na coparticipação, as mensalidades são menores e todos os valores para qualquer padrão de franquia devem estar detalhados em contrato.

E qual o melhor custo-benefício?

Para descobrir qual opção é ideal para você, entre em contato com um corretor de confiança, pois ele poderá fazer uma avaliação do melhor plano de saúde para o seu perfil e que se encaixe perfeitamente no seu orçamento!

Este artigo foi útil para você? Compartilhe nas suas redes sociais!

Acreditamos que sonhar é o primeiro passo para grandes realizações

A Corretora Portal existe para ajudar pessoas a conquistar seus objetivos com segurança e tranquilidade

FAÇA SUA COTAÇÃO!
By | 2017-12-05T09:46:09+00:00 outubro 6th, 2017|Saúde|